sábado, 9 de abril de 2011

A história de dois adolescentes cristãos da tragédia em Realengo. Um viveu, a outra não


Menino da Assembleia de Deus escapa dos tiros em Realengo

Mateus Moraes, 13 anos, foi talvez o único aluno que teve a clemência do atirador Wellington Menezes, na Escola Municipal Tasso Vieira, em Realengo. Enquanto o criminoso disparava, frio e impassível contra seus colegas, Mateus orava perto do quadro negro, sem ser incomodado, na sala 1801, no primeiro andar do prédio da escola. “Eu estava em pé e era um dos mais nervosos. Pedi para ele não me matar, e ele disse: ‘Fica tranquilo que não vou te matar.’ E não atirou em mim”, contou o menino.

Uma possível explicação, acredita Mateus, é o fato de que ele ficou o tempo todo orando. Fiel da Igreja Assembleia de Deus, o menino atribui a uma força superior o fato de ter saído vivo do ataque. “Deus me protegeu.” O atirador andava calmamente pela sala, disparando contra as crianças, principalmente na cabeça e no tórax.

Fonte: IG


COMENTÁRIO: Os pais desse menino devem estar dando graças a Deus por este livramento. Qualquer um estaria. Mas houve uma irmãzinha da Igreja Presbiteriana de Piraquara, que fica exatamente ao lado da escola, que foi uma das vítimas. Veja um breve relato abaixo.


Menina da Igreja Presbiteriana está entre as vítimas da tragédia de Realengo

E-mail da nossa irmã Damaris Botelho Celestino, presidente da Sinodal do Trabalho Feminino, para a Presidente Nacional do Trabalho Feminino, Ana Maria Prado, informando sobre a Tragédia na Escola Municipal Tasso de Oliveira. A irmã Damaris é também professora da rede municipal.

“Querida Presidente, boa noite! ESTAMOS DE LUTO! Como é do seu conhecimento, aliás, do conhecimento nacional e internacional, o Rio de Janeiro sofreu, esta manhã, uma tragédia. A escola onde tudo aconteceu fica ao lado de uma de nossas igrejas, do Sínodo Carioca. Estamos muito tristes. Há muitos feridos e alguns mortos, inclusive uma menina de 13 anos, a Larissa, da Igreja Presbiteriana da Piraquara-Realengo. Os pastores daquela igreja estão abrigando muitos e visitando os hospitais onde estão os feridos.

Dos alunos atingidos que morreram há 10 meninas. Uma delas, a Larissa, faleceu, mas suas amiguinhas atingidas, que sobreviveram, estão com os rostos irreconhecíveis. O atirador invadiu a sala de aula, mandou as meninas, e somente as meninas, levantarem-se e atirou nos seios e na cabeça de cada. Cinco professores da escola, que são meus amigos de trabalho, enfartaram. Ainda não tenho notícia deles nem da família da menina, que frequenta a igreja.

Peço-lhe que ore em favor da família de Larissa, da IPB de Piraquara e dos pastores João Luiz, Elias e Carlos Coutinho, assim como por todas as famílias enlutadas e por nossas igrejas do Sínodo Carioca. Em oração, com muita fé e querendo mais de Cristo, Damaris Botelho".



COMENTÁRIO: As duas notícias mostram duas situações diferentes. Uma revela a história de um garoto evangélico que escapou da tragédia, pois, apesar de terem morrido dois meninos, o alvo preferencial do maníaco eram as meninas. A outra notícia mostra que, infelizmente, uma menina evangélica chamada Larissa, juntamente com outras 11 crianças, não tive a mesma sorte do garoto Mateus.

A pior coisa a ser dita numa hora dessas é dizer que alguém escapou de uma tragédia porque era de uma determinada religião. Na hora da dor e da tragédia, não existem diferenças de religião, todos estão no mesmo barco. Só se consegue pensar nos pais e familiares daquelas crianças que hoje estão velando seus filhinhos. Que Deus possa estar dando o consolo do seu Espírito para todos eles!

A verdade é que muitos cristãos não sabem o significado da verdadeira paz com Deus, que se instala em nós e que é fruto da justificação que eu tenho em Cristo, é que é paz tanto na alegria quanto na dor. Sem essa paz com Deus, passamos a viver num estado permanente de suspeição contra os céus. Fica tipo assim: "Será que vai acontecer alguma coisa comigo hoje? Ih, meu Deus! perdi o táxi, será que é porque tem alguma coisa?"

É um sentimento de suspeição o tempo todo! O sujeito chega ao aeroporto, na hora do vôo e tem medo do avião cair, ou então, se ele perde o avião, já interpreta assim: "Ai, graças a Deus, vai ver que é porque ele ia cair". Se a aeronave era de 200 passageiros, Ele então não está nem um pouco preocupado com os outros 199 lá dentro?

É uma loucura, uma neurose, mas não são poucos os que vivem assim! Que oremos para que Deus dê paz e consolo às famílias que só Ele sabe e pode dar.

Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. De sorte que, ou vivamos ou morramos, somos do Senhor” (Rm 14.8)


A-BD

6 comentários. Clique aqui e deixe o seu também!:

Edy disse...

EU GOSTARIA DE INDICAR A TODOS UMA ENTREVISTA DE ANNE GRAHAN ,SOBRE A EXPULSÃO DE DEUS DAS ESCOLAS EU RECOMENDO.

Paulo Adriano Rocha disse...

Realmente, acho que ficamos um tanto neuróticos. O autor foi muito feliz mesmo nessa colocação. Quem tem a sua segurança firmada no Senhor, não precisa ficar "de antenas ligadas" o tempo todo, porque o Senhor é quem cuida de sua vida e faz tudo no seu tempo, como lhe apraz. Abraços, TK!

Partner disse...

Meu nome é Maira de Campinas...
Realmente os dois eram evangélicos sim, mas a atitude dele foi totalmente diferente... Ele se ajoelhou e pediu a Deus a sua proteção.
Que Deus possa confortar os familiares e abençoar os que estão feridos para que fiquem bem.

Aldemir disse...

Na verdade a fé em Jesus deve ser, acima de tudo, na salvação da alma, no entanto, Deus está pronto a nos dar refúgio na hora da angústia. A menina que não foi salva dos tiros não quer dizer que não era fiel, mas se Deus assim permitiu, resta pedirmos ao Senhor que dê graça aos seus familiares para soportar a dor, e daí tirarem experiências para ajudar aos outros, em outras oportunidades.
Deus sabe como agir

Aldemir disse...

Na verdade a fé em Jesus deve ser, acima de tudo, na salvação da alma, no entanto, Deus está pronto a nos dar refúgio na hora da angústia. A menina que não foi salva dos tiros não quer dizer que não era fiel, mas se Deus assim permitiu, resta pedirmos ao Senhor que dê graça aos seus familiares para soportar a dor, e daí tirarem experiências para ajudar aos outros, em outras oportunidades. Deus sabe como agir

elaine disse...

essas histórias sao mt comoventes